Menu

Poemas de ...





Ódio é
12Dez2007 21:50:00
Publicado por:

odio.jpg
Imagem : autor desconhecido


Ódio é água que molha sem molhar
é cegueira que enxerga mas não se vê
é uma felicidade de um infeliz porquê
é prazer em dor por não poder amar

É um querer muito o que não se quer
é ficar só por não ganhar o coração
é negar o bater sentido do querer
é ganhar nada por perder a razão

É desejar um desejo indesejado
é servir um prato frio de sal e sódio
é ser odioso por não ter amado

Mas como pode causar lugar no pódio
de um fado tão triste e malfadado
se tão semelhante a si é esse ódio?

 





Ler mais | Comentários (0) | Visualizações (11559)

A vida
26Out2007 01:00:00
Publicado por:

A vida é grata ingratidão
Entre nascer até à morte
É sobretudo aos que verão
Uma ingrata e grata sorte

É muito mais que não se sabe
A sua mestra mestra até ignorância
O não saber-la é sabor que não sabe
É um saber tão curto e sem distância

E depois tem na dor muitos sintomas
É é sangue e tripas em todas indisposições
São abortos eutanasias e são comas
E antes dela (a morte) só confusões




Ler mais | Comentários (0) | Visualizações (9590)

Dó-Ré-Mi-Fa-Sol-Lá-Si
24Out2007 12:40:00
Publicado por:







Morte de poeta é um

U
ma poetisa na vida é

Seres que habitam em MI

Infortúnio de um

Como fá de um outro SOL

Amando assim eu

Levito em SI






Pintura de:

www.yoko.blogtok.com



Ler mais | Comentários (0) | Visualizações (4118)

A dor
17Out2007 14:00:00
Publicado por:





A dor é uma vã e triste inimiga
À qual não me posso juntar
Se um dia se tornar amiga
É amizade para não durar

O corpo é seu lar doce lar
Mas a alma também castiga
E numa batalha a travar
A dor é uma vã e triste inimiga

Não deixa nunca saudade
E nada de bom tem para dar
É a típica insana inimizade

Ler mais | Comentários (1) | Visualizações (13798)

A net!
16Out2007 01:20:00
Publicado por:
Ó vil e querida web
Que a gente vê como uma net
Que se prova mastiga e deita fora
Que tanto nos "embeb"
Parece então um bom frete
Que nos põe sempre à nora

Em ti gravata virou trapo
O vilão torna-se o bom da fita
O príncipe virou uma rã sapo
A velha corcunda bela pita
E o chato toma chá e bate-papo
E a garrafa arma-se em pipa

E para sina de um pobre luso
Faz que entra mas não penetra


Ler mais | Comentários (0) | Visualizações (2147)


11 a 15 de 16 Primeiro | Anterior | Seguinte | Último |